Passar para o Conteúdo Principal
 
Hoje
Hoje
Máx C
Mín C

logo pampilhosa

 

Oportunidades do interior em destaque na “Formação: Território, Turismo e Potencialidades”

Turismo
1 1 980 2500
10 Maio 2017
No âmbito da prova de aptidão profissional de duas alunas da Escola Tecnológica e Profissional da Sertã, realizou-se ontem, pelas 15h00, um debate / formação intitulado “Pampilhosa: Território, Turismo e Potencialidades”. Esta sessão teve como principal finalidade reunir os agentes turísticos locais, na tentativa de encontrar estratégias conjuntas de potencialização dos recursos e aproveitamento de oportunidades.

A sessão começou com a intervenção do Sr. Vice-Presidente da Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra, Jorge Custódio, que partilhou com os presentes a expansão turística do território Serrano que pretende “sair da caixa e abrir as portas a um mundo novo”. Neste sentido, foi explanado o conjunto de atrativos turísticos que o Concelho Pampilhosense tem para oferecer, tendo em conta que devido à forte concorrência, neste momento, os Concelhos “distinguem-se pela realidade que podem oferecer a quem os visita”. Ainda assim, não interessa que as “pessoas venham só uma vez”. Para as conquistar o Município conta com um amplo portefólio de “experiências autênticas”, que procuram valorizar os produtos locais e o vasto património natural e, deste modo, proporcionar uma oferta diferenciadora que faça as pessoas voltar.

De seguida teve a palavra o Dr. Ricardo Ambrósio, presidente da direção da AHRESP Castelo Branco, que partilhando a sua paixão pela restauração, falou da “importância da qualidade dos serviços na indústria da restauração e no turismo”. Nesse contexto, alertou para a importância de defender interesses comuns, através da comunicação em rede. Para o empresário, é também extremamente importante que as unidades de alojamento e restauração do interior, fomentem a ligação entre empresários e estudantes, estes últimos tendencialmente arrastados para as grandes unidades hoteleiras.

A temática “incentivos para o setor do turismo”, por vezes pouco conhecida pelos pequenos agentes turísticos, foi explorada pelo Dr. Gonçalo Gomes, Técnico do Turismo Centro de Portugal, entidade que neste momento é o epicentro turístico de cerca de 100 concelhos do Centro de Portugal. Através de 3 plataformas distintas, a Turismo Centro de Portugal, manifesta cada vez mais a sua vontade de ajudar no enquadramento dos projetos, bem como na escolha dos sistemas de incentivo que mais de adequam a cada empresa e aos quais se podem candidatar. Está também a decorrer um novo processo de monotorização da atividade turística, que será colocado ao serviço das empresas. Este processo pretende avaliar, de forma rigorosa, a evolução da atividade turística num determinado local, para através dos dados obtidos tentar “gerar mais valias”.
“Estar no interior é uma oportunidade”. Foi em torno desta premissa que se regeu a intervenção final, pela voz do Dr. João Ministro da Proactivetur, uma jovem agencia de viagens sediada no Algarve, especializada em ecoturismo e turismo criativo. Através da sua experiência no interior Algarvio, procurou alertar para a necessidade de potenciar as características impares dos territórios de interior, como a “genuinidade”, a “autenticidade” ou a “qualidade ambiental”. Neste âmbito, referiu que o turismo de natureza tem muito potencial e que pode ser visto como um “conjunto de oportunidades”, na medida em que atividades como o cicloturismo, as caminhadas ou a observação de aves, estão a ter um crescimento muito acentuado. Houve também uma alusão à necessidade de potenciar o designado “Turismo Criativo”, isto porque “as pessoas já não querem apenas ver, mas também experimentar e aprender algo”. Para tal, segundo o empresário, é preciso reinvenção, “saber tornar um determinado recurso, num produto turístico”.

A etapa final da sessão foi ocupada com uma curta troca de ideias, entre oradores e agentes turísticos locais, de onde se extraiu uma mensagem unânime fortemente marcada pela vontade de potenciar um destino turístico em ascensão: “O interior tem muito daquilo que os nossos turistas procuram e isso pode e deve ser valorizado e potenciado”.

Partilhar