Passar para o Conteúdo Principal
 
Hoje
Hoje
Máx C
Mín C

Logótipo Pampilhosa da Serra

 

Feriado Municipal de Pampilhosa da Serra: “Um povo com uma alma imensa” que toca gerações inteiras

Geral
10 Abril 2023

Pampilhosa da Serra, celebrou hoje, dia 10 de abril, 715 anos de autonomia e história. Uma história de “união, entreajuda e essência serrana”, caraterísticas que para o Presidente da Câmara Municipal, Jorge Custódio, “continuam a prevalecer” e serão o segredo para um “futuro próspero e de importantes conquistas”.

Numa Sessão Solene presidida por João Paulo Catarino, Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, foram precisamente estas áreas de intervenção a merecer particular foco nos discursos dirigidos a Pampilhosenses e visitantes.

Para Jorge Custódio, é fundamental garantir a “sustentabilidade” e a “rentabilidade” da massa florestal do concelho, sendo que para o conseguir, vincou, “a chave está na transformação” e na criação de novos mosaicos florestais, à semelhança do trabalho que tem vindo a ser desenvolvido na AIGP da Travessa ou da “aposta forte na plantação de medronheiros por parte dos privados”.

O Presidente da Câmara Municipal enalteceu o esforço dos técnicos do Município “na elaboração e identificação cadastral de terrenos rústicos”, e anunciou que o projeto BUPi já permitiu “identificar mais de 50% do território florestal” do concelho. Aproveitando a presença do Secretário de Estado, Jorge Custódio apelou à “adoção e concretização de novas políticas públicas” por parte do poder central, que possibilitem não só fazer da floresta um ativo indiscutível, como também “inverter o ciclo demográfico”, criando “empresas e dinâmica comercial”. Para atingir este desígnio, lembrou, o Município tem vindo a dar passos sólidos e diferenciadores, como é o caso do regulamento municipal de apoio ao empreendedorismo.

João Paulo Catarino, anunciou a intenção por parte do Governo de reformular e tornar mais atrativo o programa “Emparcelar para Ordenar”, que consiste numa linha de crédito até 150 mil euros, em que o Estado “paga para que o proprietário possa comprar a copropriedade do prédio, os prédios confinantes ou comprar o que vai para além do quinhão ideal de partilha numa herança”. “A nossa ideia é aumentar a dimensão média dos prédios rústicos e aumentar também a titularidade única”, apontou.

Além deste mecanismo, o Secretário de Estado registou que até 2025 o governo está disponível para ultrapassar a meta das 800 candidaturas no programa Condomínio de Aldeia, prevista no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR). “Precisamos mesmo de aumentar a segurança das aldeias em espaço florestal e isso podemos fazê-lo, alterando a ocupação do solo naqueles 100 metros à volta dos aglomerados populacionais”, expressou.

João Paulo Catarino descreveu ainda a Pampilhosa da Serra como uma “terra de gente capaz, empreendedora” e que dá “lições todos os dias por esse mundo fora”.

Nos instantes finais do discurso, Jorge Custódio voltou a apelar “ao diálogo construtivo, proatividade e cooperação”, sem “ilhas”, “em prol de um futuro digno, de desenvolvimento, com mais e melhores condições”.

2023_04_10___feriado_municipal_138
2023_04_10___feriado_municipal_174
2023_04_10___feriado_municipal_067
2023_04_10___feriado_municipal_001
2023_04_10___feriado_municipal_018
2023_04_10___feriado_municipal_084
2023_04_10___feriado_municipal_036
2023_04_10___feriado_municipal_052

Partilhar